Folar Enrolado





Eu sei. Eu sei que já chega de folares, amêndoas e chocolates. E doces de Páscoa. Mas por cá, nós adoramos bolo folar. É uma coisa sem época.
Adoro comer folar. Mesmo com dias de feito, sabe sempre tão bem. Uma fatia torradinha com manteiga. 
Gosto de comer à ceia, com uma chávena de chá ou ao lanche com uma limonada.

E apesar de ainda estar de barriguinha cheia de coisas boas, destes dias de descanso, quis trazer um folar.
Como tive os dias livres (quase pareceram férias!) aproveitei e experimentei alguns folares e até um panetone! Mas ando com o meu forno desregulado e o panetone queimou mesmo muito. A receita de hoje é da Margarida e ficou bem tostadinha por cima (leva uma calda que carameliza), e ainda fiz o folar da Sara que podem ver aqui (este não queimou, ficou lindo e delicioso, ninguém resistiu a cortar fatias ainda quente e pouco sobrou para fotografar, e sei que irá ser feito muitas mais vezes durante o ano todo).

E sim, apesar de estar bem morenaço, eu apresento-o aqui. Em vez de um sumo detox ou de uma salada como seria de esperar. E porquê? Porque a minha avó já me pediu para eu o fazer para a semana, para a nossa Páscoa, a Pascoela, que se celebra no próximo domingo.
A tradição mantém-se na vila da minha avó. As casas enfeitam-se nesse dia e as famílias voltam a estar juntas à mesa. As ruas cheias de flores enfeitam os caminhos que levam a portas abertas para receber os vizinhos e amigos. E não vai faltar um folar destes, com cheirinho a Algarve, na nossa mesa.




Folar Enrolado
(receita do blog Figo Lampo)

125 gr de açúcar amarelo
raspa de 1 laranja
sumo de 1 laranja pequena
2 ovos biológicos
100 ml leite morno
100 ml chá (água com pau de canela, anis estrelado e erva doce)
20 gr de fermento de padeiro fresco
50 gr de manteiga derretida e fria
1 colher (chá) de canela em pó Margão
1 colher (chá) de erva-doce Margão
650 gr de farinha sem fermento
1 pitada de sal

para a calda:
2 colheres (sopa) de mel
50 gr de manteiga
2 colheres (sopa) de açúcar amarelo
1 colher (sopa) rasa de canela em pó

para o recheio:
açúcar amarelo, canela em pó e manteiga q.b.


Preparação

Dissolver o fermento em parte do leite morno. Numa taça colocar os ingredientes secos (farinha, açúcar, raspa, sal e especiarias). Abrir um buraco no centro e colocar os ingredientes líquidos (ovos batidos, manteiga, leite, leite com fermento, sumo e chá). Amassar muito bem a massa até esta deixar de pegar às mãos e à taça.
Em alternativa, poderá amassar a massa na batedeira, com o gancho de amassar durante uns 5-10 minutos.
Deixar a massa levedar durante 4 a 6 horas, tapada com um pano e reservada num sítio quente.
Preparar a calda, levando ao lume todos os ingredientes até ficar homogéneo e derretido.
Pré-aquecer o forno a 190ºC.
Estender a massa com um rolo, numa superfície polvilhada com farinha, num rectângulo comprido e fino.
Salpicar com açúcar e canela e colocar pequenas nozes de manteiga sobre a massa.
Dobrar as pontas/lados maiores do rectângulo para dentro, sem sobrepor a massa. Voltar a polvilhar com açúcar e canela e manteiga. Enrolar a massa a partir da ponta/lado mais pequeno, como uma torta.
Colocar a massa enrolada, com o lado em que se vê o caracol virado para cima, numa forma circular com 20 cm de diâmetro e forrada com papel vegetal antiaderente (deixando as pontas deste bem altas, porque vai crescer).
Colocar a calda por cima e levar ao forno durante 1h a 1h30 (teste do palito), tapando com papel de alumínio durante uma primeira fase, para evitar que queime.

Bom Apetite!






Panquecas e Compota de Ruibarbo e Morango




Ando deliciada com um dos meus livros novos, o Whole-Grain Mornings. Um livro lindo, pequenino, só de receitas de pequeno-almoço e brunch. Um livro mesmo à minha medida.
Com receitas variadas para colorir as manhãs, quer sejam dias de semana, quer sejam domingos preguiçosos e brunchs para toda a família se reunir.
Adoro esta refeição do dia, tão importante, e mesmo nem sempre havendo tempo para comer com tempo, este livro inspira-nos a preparar refeições saudáveis, usando farinhas e grãos integrais, ao sabor de cada uma das estações do ano.




Desde granolas, porridge, muesli, compotas, muffins, leites de amêndoa ou avelã, passando por barrinhas de quinoa, couscous, fritattas, saladas de cevada, bolinhos salgados, todos feitos com frutas e legumes de cada estação, ando com vontade de o explorar bem em cada receita. 
Até lanches, almoços e marmitas se fazem dele.

E para começar com coisas que gosto, fiz as panquecas multi-farinhas que servi com a compota de ruibarbo e morango. Esta compota é perfeita para comer com iogurte natural ou com papas de aveia. Aqui servi com panquecas bem fofas num brunch domingueiro. 
A mistura destas panquecas é um pré-mix de farinhas que se guarda num frasco hermético, e que depois se pode usar a qualquer momento adicionando os ingredientes líquidos.
O ruibarbo lindo que uma amiga inglesa me deu, a par duns moranguinhos caseiros, e um toque de baunilha, adoçaram a manhã de domingo.




Compota Rápida de Ruibarbo e Morango

230 gr de ruibarbo
450 gr de morangos
2 colheres (chá) de sumo de limão
1 colher (chá) de raspa de limão
1 colher (chá) de pasta de baunilha
230 gr de açúcar

Preparação

Cortar o ruibarbo e os morangos em pedacinhos, depois de bem lavados. Colocar num tacho, e misturar o açúcar, deixando a macerar durante uns 10 minutos. Adicionar depois a raspa e sumo de limão e a baunilha e levar ao lume até ferver. Diminuir para lume brando, e deixar cozinhar, mexendo de vez em quando, e esmagando as frutas com a ajuda da colher-de-pau, até a compota se começar a formar e engrossar (uns 15 a 20 minutos). Deve fazer um ponto de estrada ligeiro.
Retirar do lume e deixar arrefecer por completo, antes de colocar em frascos esterelizados.
Conserva-se no frio por 3 a 4 semanas.




Pré-Mix de Panquecas Multi-Grão

2 chávena de farinha de trigo
3/4 chávena de farinha de trigo sarraceno
1/2 chávena de farinha de espelta
3/4 chávena de flocos de quinoa (ou aveia)
3 colheres (sopa) de açúcar amarelo
2 colheres (sopa) de fermento
2 colheres (chá) de bicarbonato de sódio
1/2 colher de chá de sal

Para 6 Panquecas:

1 ovo biológico batido
1/2 chávena de leite
1/2 chávena de buttermilk (1/2 cháv de leite + 1 colher de chá de sumo de limão, repousar por 15 min)
1 colher (sopa) de manteiga derretida
1 chávena do pré-mix de panquecas


Preparação

Para fazer a pré-mistura de panquecas, misturar todos os ingredientes numa taça e transferir para um frasco hermético. Conserva-se até 2 meses. Antes de usar, misturar bem sacudindo o frasco.
Para preparar as panquecas, misturar numa taça os ingredientes líquidos e juntar a mistura de farinhas (1 chávena da pré-mix), mexendo bem até a massa ficar homogénea.
Aquecer um pedacinho de manteiga ou óleo de girassol numa frigideira pequena e colocar um pouco da massa das panquecas, em lume brando.
Cozinhar cada panqueca até a parte de baixo dourar e o topo formar bolhas, virando nessa altura, com a ajuda de uma espátula, e deixando cozinhar por 1 a 2 minutos. Repetir o processo, colocando um pouco mais de gordura na frigideira entre cada panqueca.
Servir mornas com a compota, ou com um fio de mel e fruta da época.

Bom Apetite!






Salada de Cevada, Romanesco e Frango com Harissa





Os dias estão mais bonitos. Parece que a Primavera finalmente chegou. Leve e fresca, com sol, e a vontade de nela passear.
Chegam as refeições mais leves, os sumos mais frescos. As saladas ainda que servidas quentes têm outro gosto. Um encanto diferente. Imagino-me a comer já na varanda, lá fora no alpendre. Penso nesses dias mais relaxados e que pedem gente à volta da mesa. Debaixo da laranjeira, à sombra.




Lembram-se quando a minha mãe me arranjou as pastinacas? Nessa altura ela trouxe-me também um romanesco lindo. Imaginam o meu ar de felicidade. Só coisas boas para descobrir à mesa.
O romanesco pelo que pesquisei, pode ser chamado de couve-flor, bróculo ou mesmo couve. Ao provar pela primeira vez, fez lembrar mais a couve-flor sem dúvida.
E inspirada por coisas lindas, como o romanesco, e o livro da Katie, surgiu a ideia desta salada, servida morna para um almoço. Vamos até ao alpendre servir-nos?





Salada de Cevada, Romanesco e Frango com Harissa
(receita adaptada do livro "What Katie Ate" de Katie Quinn Davies)

200 gr de peito de frango do campo (cortado em cubinhos)
2 colheres (sopa) de amêndoa laminada e tostada
200 gr de cevada
sumo de 1 limão
1 colher (sopa) de azeite
sal e pimenta q.b.
1 romanesco (cortado em floretes)
1 curgete (com casca, fatiada e cortada em pedaços)

marinada:
sumo de 1 limão
1 colher (chá) de harissa
1 colher (sopa) de azeite
pitada de sal


Preparação

Preparar a marinada, misturando bem todos os ingredientes numa taça. Juntar o frango em pedacinhos e envolver bem na marinada. Colocar no frio por 30 minutos a 1 hora.
Entretanto cozinhar a cevada, segundo as instruções da embalagem (eu juntei 750 ml de água e cozeu durante uns 45 minutos em lume brando). Drenar a água e reservar, para arrefecer ligeiramente.
Misturar bem o sumo de limão com o azeite, uma pitada de sal e pimenta e envolver esta mistura na cevada.
Numa panela com água a ferver, cozer o romanesco em floretes (durante uns 4 minutos ou até ficar ligeiramente cozido mas ainda com textura firme). Drenar e reservar.
Numa frigideira ou grelha colocar os pedaços de curgete, ligeiramente pincelados com azeite e deixar saltear ou grelhar de ambos os lados até ficar dourado e a curgete cozinhada mas sem ser demasiado.
Numa frigideira grande aquecida, cozinhar o frango com a marinada, em lume alto, durante uns 10-12 minutos ou até o frango caramelizar no exterior e a marinada borbulhar. Repousar por 5 minutos.
Numa taça grande colocar a cevada, frango, romanesco, curgete e misturar bem. Ajustar tempero de sal e pimenta se achar necessário. 
Servir numa travessa, polvilhado com a amêndoa tostada.

Bom Apetite!